quarta-feira, 31 de março de 2010

Hoje é o dia do doente com AVC

Bombeiros com medo de ciganos

Os Bombeiros de Elvas voltaram a ser vítimas de agressão durante uma ocorrência. Segundo a corporação, sempre que vão junto da comunidade de etnia cigana são recebidos à "pedrada, a soco e a pontapé". O último episódio, que deixou o comandante, Bernardo Bajuca, com um dedo fracturado, várias escoriações e hematomas, aconteceu quando combatiam um incêndio numa carrinha, no bairro de São Pedro, na madrugada de segunda-feira.

"Assim que chegámos começaram as pedradas. Quando fui buscar umas luvas atacaram-me a soco e acabei por cair. Eram três ou quatro", disse ao CM Bernardo Bajuca, que seguiu directamente da ocorrência para o hospital.

O comandante assegura que os Bombeiros de Elvas estão "receosos" e que "temem cada vez mais sair para as ocorrências". Recorde--se que, durante o mês de Fevereiro, uma explosão num acampamento – que está a ser investigada pela PJ – atirou para o hospital cinco elementos daquela corporação. Dois dias antes, um dos elementos também tinha sido agredido no local. Um elemento da comunidade, ouvido pelo CM, disse que os ânimos se exaltaram na madrugada de segunda-feira "porque os bombeiros demoraram".

Ao que o CM apurou, junto de fonte da PSP, tanto as agressões ao comandante, como a origem do incêndio na carrinha estão a ser investigadas. Os alegados autores já estarão identificados.

CM/Pedro Galego

segunda-feira, 29 de março de 2010

Cenário de catástrofe montado em Baltar

Todas as corporações de bombeiros do concelho de Paredes, assim como os núcleos da Cruz Vermelha de Vilela e Sobreira, participaram num mega simulacro. Foram dezenas de socorristas que marcaram presença no final da tarde do último sábado, em Baltar. No final de um exercício que se prolongou por quase três horas, o balanço efectuado pelos responsáveis foi positivo.

Comandante distrital de Operações de Socorro do Porto esteve em Baltar
Os primeiros carros de combate a incêndio começaram a chegar já depois das 19h00. Nos terrenos anexos ao quartel dos Bombeiros Voluntários de Baltar, onde está a ser construído o heliporto, os bombeiros encontraram um cenário catastrófico: vários carros a arder, pessoas espalhadas pelo chão e um autocarro sinistrado com dezenas de vítimas a necessitar de socorro.
Mais à frente, havia ainda jovens a precisar de ser resgatados de descidas íngremes e até vítimas de ataques com produtos tóxicos estavam entre as baixas.No posto de comando, o comandante Delfim Cruz liderou as operações enquanto ia informando o comandante distrital de Operações de Socorro do Porto, coronel José António Teixeira Leite.No grupo de comando estava integrado ainda o responsável pelo Grupo de Intervenção, Protecção e Socorro da GNR que está, precisamente, instalado em Baltar.

Foi desta equipa restrita que partiram todas as instruções para os socorristas que, no terreno, foram sendo surpreendidos com novas ordens que acabavam por alterar a actuação de bombeiros e socorristas.

Integrados em equipas de quatro, primeiro, e dois elementos, os bombeiros foram tentando salvar e evacuar o máximo de vítimas. O objectivo desta iniciativa, para além de celebrar o Dia Internacional da Protecção Civil, era treinar a actuação em situações de emergência extrema.E, para os responsáveis, tal desiderato foi alcançado plenamente. E com bons resultados no que diz respeito à actuação das várias entidades presentes no terreno.

O verdadeiro Olhar

Áreas florestais vigiadas este verão por sete mil jovens

Sete mil jovens vão estar este verão a vigiar a floresta contra os incêndios, através do Programa ‘Voluntariado Jovem nas Florestas’, hoje apresentado pelo Governo na Tapada Nacional de Mafra.
O secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Rui Barreiro, disse à Agência Lusa que este ano o programa abrange sete mil jovens, «um número inovador porque houve um empenhamento das duas secretarias de Estado no sentido de potenciar este programa que a prevenção é essencial, mas também a educação para a cidadania».

O Governo, através das secretarias de Estado da Juventude e Desporto e das Florestas e Desenvolvimento Rural investe este ano cerca de um milhão de euros no programa, comparticipando nas despesas relacionadas com os seguros individuais dos jovens e com as deslocações e alimentação.

O programa destina-se a incentivar a participação dos jovens na defesa e prevenção da floresta contra incêndios, através de acções de sensibilização da população para comportamentos considerados de risco, de vigilância de zonas arbóreas para detecção de focos de incêndio ou de limpeza do lixo em áreas florestais.

Neste sentido, os jovens, entre os 18 e os 30 anos, vão deslocar-se de bicicleta, moto ou automóvel ou integrar equipas em locais privilegiados, onde observarão com binóculos as áreas florestais.

De acordo secretaria de Estado da Juventude e Desporto, desde 2005, altura em que o programa foi lançado pela primeira vez, foram detectadas 6250 deflagrações de incêndio e foram recolhidas cerca de 17 toneladas de lixo, correspondendo à limpeza de uma área florestal de 19 hectares.

Desde 2005, participaram 36869 jovens.

Lusa / SOL

Bombeiros esperam 96 viaturas... há três anos

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses criticou o Governo pelo «inqualificável atraso» na entrega de 96 viaturas a várias corporações do país, anunciada há três anos mas ainda não concretizada.

«É um atraso injustificável e deve ser precisamente por ser injustificável que ninguém nos explica por que é que as viaturas ainda não foram entregues», disse à Lusa Duarte Caldeira.

Segundo o responsável, este será um dos assuntos em cima da mesa na reunião do Conselho Nacional da Liga dos Bombeiros, que sábado decorrerá em Vila Nova de Cerveira.

«Dessa reunião vai sair, certamente, uma manifestação de desagrado pelo facto de as viaturas ainda estarem por entregar aos destinatários, que tanta falta têm delas», referiu.

Na reunião, Duarte Caldeira dará também conta da garantia do secretário de Estado da Administração Interna de que não haverá qualquer redução das solicitações aos bombeiros para transporte de doentes.

«Tínhamos sinais de que poderia ser reduzida a prescrição do transporte de doentes pelos bombeiros, em favor dos transportes públicos, nomeadamente táxis, mas o secretário de Estado garantiu-me que isso não ia acontecer. É uma evolução positiva, que registamos com agrado», sublinhou.

TVI24

Bombeiros com acordo de trabalho

Ao fim de três anos de negociações, foi assinado este fim-de-semana o acordo colectivo de trabalho dos bombeiros profissionais. O documento foi celebrado entre a Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP), a Liga de Bombeiros Portugueses e o Ministério do Trabalho.

A importância da conquista foi ontem sublinhada pelo Ministro da Administração Interna, Rui Pereira, que durante a sessão de encerramento do 9º Congresso dos Bombeiros, decorrido em Setúbal, apelidou-o de "demonstração de maturidade do sector dos bombeiros".

Na prática, segundo explicou ao CM o presidente da ANBP, Fernando Curto, o acordo colectivo de trabalho "abrange centenas de bombeiros, todos associados da ANBP e do Sindicato de Bombeiros". "Com vigência imediata, todos os bombeiros terão horário e uma tabela salarial", concluiu Fernando Curto.

CM

Ambulâncias em colisão. A urgência de salvar vidas também provoca acidentes

Ambulâncias do INEM sofrem três acidentes por mês. Nelson Baptista diz que 99% dos casos acontecem por negligência do condutor do veículo prioritário.
No cruzamento, segundos antes de chegar ao Hospital do Barreiro, Fernando Figueira não conseguiu evitar o despiste da ambulância. "O sinal estava vermelho e parei: do lado esquerdo e do lado direito os dois camiões cederam a passagem e eu segui", relata o motorista dos Bombeiros Voluntários da Moita que transportava uma senhora para o hospital. Instantes depois, um veículo particular chocou contra a ambulância: "Não consigo explicar como aconteceu, acho que o camião tapou a visão ao condutor do carro e ele apanhou-me na roda de trás." Fernando Figueira e a senhora idosa, que minutos antes sofrera um ataque súbito em casa, saíram ilesos. Quem não teve a mesma sorte foi o socorrista, que sofreu graves lesões na cabeça. O acidente aconteceu em Janeiro deste ano.

"Quando temos uma criança de três anos sem conseguir respirar, quase a entrar em paragem cardíaca, é normal que sejamos menos profissionais e mais agressivos", diz Ricardo Rocha, o presidente do Sindicato de Ambulâncias de Emergência. A condução mais agressiva ocorre normalmente a caminho do local do acidente e sempre nos cruzamentos, porque o condutor comum não se sabe posicionar perante um veículo de emergência, adianta p sindicalista.

Em Portugual, cerca de 700 técnicos de viaturas de emergência do INEM conduzem as 87 ambulâncias particulares do Instituto e todos vivem na ansiedade de salvar vidas. Não são os únicos. Os Bombeiros Voluntários (BV) são responsáveis por 193 viaturas de emergência do INEM, graças a um protocolo que existe entre cada associação dos bombeiros e o Instituto. Mas os voluntários são os únicos condutores que não têm qualquer formação específica e, "muitas vezes, pagam do seu próprio bolso os cursos profissionais", conta ao i Ricardo Rocha.

O INEM garante que, em média, regista três acidentes por mês. A protecção civil não disponibiliza os números relativos aos acidentes com os bombeiros voluntários. Mas o presidente da Associação de Técnicos de Emergência Médica Pré-Hospitalar, Nelson Baptista, avisa que 99% dos acidentes acontecem por negligência do condutor do veículo prioritário. "A má selecção de pessoas, a falta de avaliação psicotécnica e formações inapropriadas" são, para Nelson Baptista, as principais causas de sinistralidade em marcha de urgência assinalada.

Em Agosto de 2009, uma ambulância do INEM embateu contra um motociclista no centro do Porto, depois de passar um sinal vermelho, provocando a morte de Rui Severino de 23 anos. O técnico do INEM foi acusado de homicídio. Fonte oficial do Instituto recusa comentar o caso, mas o i teve conhecimento de que uma notícia publicada pelo "JN," sobre o alegado estado de alcoolemia do condutor, originou uma investigação policial.

Em Portugal não existe legislação que obrigue os condutores de veículos prioritários a terem formação específica. E os critérios para conduzir um veículo de emergência divergem. A experiência é um dos principais requisitos e, no caso dos BV, é mesmo o factor principal. É necessário também averbar à carta de condução a categoria de condutor de veículo prioritário. Para isso, é preciso uma certidão médica que comprove as habilidades físicas e psicotécnicas. Mas, de acordo com Duarte Caldeira, presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, é possível obter esse atestado por 70 ou 80 euros. "É uma disposição meramente burocrática e é absurdo cobrar a indivíduos que não recebem qualquer remuneração pelo trabalho que fazem um valor tão elevado". Tudo para um averbamento que diz,não trazer nenhum acréscimo de competência.

Em 2008, o INEM criou o Núcleo de Condução em Emergência (NUCE), um centro de formações internas com destaque para a "postura de emergência e segurança no trânsito." Helena Castro, coordenadora do NUCE, explica que os padrões de exigência aumentaram e ninguém passa no curso sem fazer uma "bateria de testes psicotécnicos, comportamentais, de inteligência, personalidade e reacção ao stress".
A coordenadora assegura que fez uma proposta à direcção do INEM, há cerca de um ano, para que o NUCE passasse a abranger a Escola Nacional dos Bombeiros, dirigida também por Duarte Caldeira. Mas a proposta ainda não foi concretizada: "Como pode imaginar, estas formações são muito caras - precisamos sempre de quatro carros disponíveis e mais cinco formadores. Duarte Caldeira concorda.,E diz que não faz qualquer sentido os motoristas dos bombeiros não terem acesso a um quadro de formações como o NUCE, sendo que eles próprios conduzem as ambulâncias do INEM.
ionline

sábado, 27 de março de 2010

Álcool e Drogas: Vale a pena ver o vídeo e reflectir

video

Uma das maiores empresas de marketing do mundo, resolveu passar uma mensagem para todos, através de um vídeo criado pela TAC (Transport Accident Commission) e que teve um efeito drástico na Inglaterra.

Depois desta mensagem, 40% da população da Inglaterra, deixou de usar drogas e de consumir álcool pelo menos nas datas comemorativas, não temos este tipo de iniciativa aqui em Portugal.

Espero que todos assistam, mesmo que não se alcoolize ou use algum tipo de drogas, e que reflictam e passem para os seus contactos. Oriente seus filhos, sobrinhos, amigos etc...

Vídeo e texto enviados por: Cristel Melanie M.

sexta-feira, 26 de março de 2010

Comemorações do 10°. Aniversário da Juvebombeiro

Clique na Foto para ampliar
Enviado por: Paulo Ferro -Vogal CNCJ

Antigo comandante dos Bombeiros de Rebordosa homenageado

Abel Silva foi bombeiro mais de 20 anos, 17 deles no comando da corporação.
Abel Silva, que serviu os Bombeiros Voluntários de Rebordosa durante mais de 20 anos, 17 deles como comandante, foi esta terça-feira homenageado pela Junta de Freguesia daquela localidade.
Entre muitos elogios à sua conduta pessoal e profissional, o empresário rebordosense recebeu lembranças que marcaram a sua passagem por esta corporação também por parte da família, do Rebordosa Atlético Clube (onde chegou a jogar) e de outras associações da freguesia.
O comandante Abel mostrou-se surpreso com esta homenagem e assegurou que apenas fez o melhor que podia e sabia, honrando uma farda que sempre se orgulhou de vestir.
Para o presidente da Junta de Rebordosa, Elias Barros, esta autarquia local não podia deixar de homenagear um homem da terra que prestigiou a freguesia e o concelho, caracterizando o comandante como um "homem amigo do seu amigo" e de "carácter impar".
"Saí na hora certa"
Abel Moreira da Silva tem 57 anos e é casado, tendo já três filhos e um neto. Depois de 21 anos a servir os Bombeiros de Rebordosa, decidiu retirar-se do comando por questões pessoais e profissionais. "Saí na hora certa", afiança.
Numa noite de emoções, Abel Silva disse-se "apanhado de surpresa": "Servi os bombeiros com grande honra e orgulho sem nunca esperar qualquer homenagem", garantiu. "Sentia que pertencer a esta casa era grande responsabilidade. Tinha que ser sério, humilde e dar o meu melhor", explicou o comandante. Garantindo que esta vai continuar a ser a sua "casa do coração" e que não vai deixar de gostar dos Bombeiros de Rebordosa, Abel Silva revelou que leva destes 20 anos muitas memórias, algumas de alturas boas e outras de tempos em que lhe restou "erguer a cabeça e pedir sorte".
Já José Miranda, presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito do Porto, falou deste homem como "um grande comandante e também um grande industrial". "Não te dou os parabéns porque estou triste. Respeito a tua atitude mas acho que podias dar mais uns anos à causa", disse voltado para o comandante cessante.
Por sua vez, o presidente da Assembleia-Geral dos Bombeiros de Rebordosa lembrou que o comandante não abandonou a corporação, "apenas transitou para um órgão consultivo da direcção. Continuamos a contar com ele", assegurou, adiantando que os bombeiros lhe farão uma homenagem aquando do aniversário da corporação.
Verdadeiro Olhar

Carros dos Voluntários no parque da AGERE

Aparentemente abandonados, três carros de combate a incêndios, entre os quais um pesado, e uma ambulância dos Bombeiros Voluntários de Braga estão paradas, há mais de três meses, nas instalações AGERE, em Braga. Uma ambulância INEM esteve ali dois meses.

Razões para o sucedido, aparentemente, não existem. As viaturas estão em bom estado, apesar de algumas terem os pneus sem ar ou furados. Numa altura em que o tom das críticas há falta de meios nos bombeiros sapadores e voluntários de Braga aumentam, é de estranhar que quatro viaturas estejam ao abandono nas instalações da AGERE em Braga.

O presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários, António Machado, disse ao JN que estas viatura estão parados "porque estão avariadas e à espera de manutenção".

A falta de financiamento dos Bombeiros Voluntários de Braga leva a que estas situações sejam frequentes.

"São reparações que são um bocado caras. O financiamento aos bombeiros não aquela que a gente espera e nós temos cada vez mais dificuldades financeiras. Os valores que o Estado nos paga são baixos, no transporte de doentes e cada vez que vamos para incêndios ficamos sempre com prejuízos", explica o presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários.

António Machado reivindica ainda mais viaturas de combate a incêndios para a cidade de Braga, nomeadamente um carro mais moderno para o combate a incêndios urbanos.

No início deste mês um incêndio numa unidade hoteleira de cinco estrelas, em fase de acabamentos, junto à Universidade do Minho, pôs a nu as dificuldades que há em Braga no combate a incêndios urbanos.

A falta de meios levou mesmo ao pedido de uma assembleia municipal extraordinária por parte da oposição (PSD, CDS-PP, BE e CDU), junto do presidente da Assembleia, António Braga.

Na altura, as duas auto-escadas dos Sapadores Bombeiros estavam indisponíveis para combate, conforme explicou o presidente da autarquia, Mesquita Machado, "devido à falta de homologação de uma e à avaria de outra".

JN

Jornadas florestais em Entre-os-Rios neste sábado

O quartel dos Bombeiros Voluntários de Entre-os-Rios, Penafiel, vai ser palco, este sábado, das jornadas florestais com o nome "Bombeiros e proprietários Florestais juntos pela Floresta", iniciativa organizada pela Associação Florestal do Vale do Sousa com o apoio da Federação dos Bombeiros do Distrito do Porto.
Em discussão vão estar diversos assuntos relacionados com a gestão e o planeamento florestal.
O objectivo das jornadas é congregar associações de bombeiros e de proprietários florestais para debaterem problemas e desafios comuns com que se confrontam na defesa da floresta contra incêndios.
Esta iniciativa irá contar com a presença da Governadora Civil do Distrito do Porto, Isabel Santos e enquadra-se no âmbito das comemorações dos 16 anos da Associação Florestal do Vale do Sousa.
Terras do Vale do Sousa

Soldados da Paz sempre de serviço!

A AHBVL–Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Leixões comemorou, no passado fim-de-semana, o seu 79.º aniversário com a tradicional “bacalhoada”. O programa festivo incluiu, ainda, a realização de um simulacro que envolveu vários meios físicos e humanos, mesmo no centro do Concelho.
Depois do caldo verde, deram entrada, sem surpresas, mas com entusiasmo, as travessas de bacalhau com todos… E com o discurso do presidente da mesa da assembleia geral da AHBVL, João Lourival, que louvou a “dedicação” e o “espírito de sacrifício” dos Soldados da Paz leixonenses, a noite de aniversário começou em clima de festa.
No passado sábado, na bacalhoada dos Bombeiros de Leixões marcaram presença mais de uma centena de pessoas.
“Estes homens trabalham ao serviço da comunidade. Estes homens são verdadeiros Soldados da Paz… 79 anos é uma vida inteira e quem faz ou fez parte desta instituição, sabe que não há hora para servir”, disse João Lourival.
O presidente da mesa da assembleia-geral da AHBVL aproveitou para agradecer a ajuda da Câmara Municipal de Matosinhos pela concretização do pedido feito na bacalhoada do ano passado: “Pedimos ajuda para construir a garagem. Foi com satisfação que esta foi inaugurada e é com enorme satisfação que vos anuncio que a despesa já foi integralmente paga pela autarquia”.
Em representação da Liga dos Bombeiros Portugueses, António Araújo agradeceu “a ajuda e empenho” dos BVL para com a Liga Nacional, aproveitando para lançar um repto: “Teremos concursos de manobras em breve. Gostava que os BVL apresentassem uma turma e participassem naquela que é, nesta área, a maior prova nacional, uma vez que reúne Sapadores, Voluntários e Municipais. Todos os tipos de corpos de bombeiros pela mesma causa… A formação e a eficácia”, disse.
Já pela ANPC – Autoridade Nacional de Protecção Civil, Aberto Costa referiu que “os BVL têm feito tudo o que podem em prol da comunidade, sem esquecer o Distrito”. O representante da ANPC vincou que os BVL “têm sabido sair de portas”, sendo um corpo de bombeiros “de referência, por exemplo no combate a fogos florestais”.
À margem dos discursos, o presidente da Associação Humanitária leixonense recordou, ao JM, projectos que os BVL e a autarquia têm vindo a discutir. De acordo com Vítor Ribeiro, a cobertura do quartel poderá significar uma “enorme melhoria de condições” ou, mesmo, feito o salão novo nessa cobertura, esta seria “uma boa fonte de receita”. O baptismo de uma artéria do Concelho com o nome do Comandante Geraldo Amorim Ribeiro, grande nome dos BVL, é uma promessa antiga que o presidente da AHBVL espera ver concretizada em breve.
Em representação da Câmara Municipal, marcou presença Salgado Rosa, Tenente responsável pela Protecção Civil de Matosi-nhos. Já pela Junta de Freguesia matosinhense, esteve presente António Santos.

Simulacro: 25 bombeiros e cinco viaturas no terreno

Antes deste jantar/convívio, os BVL realizaram, na Rotunda Fonte Luz, um simulacro. O exercício envolveu um carro ligeiro e um carro de transporte de gás que simularam um acidente socorrido por duas ambulâncias, três viaturas de combate a incêndio e 25
homens. A ideia era testar os meios dos BVL em caso de derrapagem de um pesado transportador de matéria inflamável.

“O exercício demorou cerca de duas horas e o balanço é muito positivo. Quisemos testar os meios que temos no terreno e simulamos a derrapagem de um camião cisterna que provocou duas “vítimas” devido ao embate num carro ligeiro. Foi um trabalho moroso, porque exigia muito cuidado. Tratava-se de matérias muito perigosas. Também fizemos exercício de desencarceramento”, descreveu o comandante dos BVL, Carlos Antunes.

Este simulacro contou com a participação e apoio do Grupo Resende. Segundo o conse-lheiro de segurança e responsável pela manu-tenção da frota da empresa de transportes, Américo Tavares, este tipo de parecerias é “comum, importante e recomendável”.

“Temos uma frota que exige muitas atenções. Além do transporte de ligeiros que todos conhecem, também detemos uma vertente de transporte de combustíveis, substâncias perigosas que, até por lei, nos obrigam a parti-cipar e realizar simulacros. Temos uma equipa de intervenção preparada e o equipamento neces-sário, mas a interligação com os meios locais é fundamental para nós e para os bombeiros. O Grupo Resende está grato aos BVL por serem sempre muito colaborantes”, concluiu Américo Tavares.

Depois do simulacro e da tradicional baca-lhoada que decorreram no sábado. Estavam programadas para domingo uma missa de sufrágio na igreja do Bom Jesus de Matosinhos, seguida de romagem ao Cemitério de Sendim.

Matosinhos TV/Paula Teixeira

quarta-feira, 24 de março de 2010

Mais de 300 bombeiros profissionais em manifestação contra a FOCON

video

Expresso
____________________________________________________________

“Câmaras investem mais nos bombeiros”


Duarte Caldeira, presidente da Liga dos Bombeiros, falou ao CM sobre protocolo de cooperação com o Instituto Politécnico Leiria.

Correio da Manhã – Qual é a finalidade do protocolo assinado hoje [ontem] com o Instituto Politécnico de Leiria (IPL) e a Associação Nacional de Municípios Portugueses?

Duarte Caldeira – Este protocolo de cooperação tem como objectivo identificar, no conjunto dos municípios, o valor dos investimentos nas associações humanitárias de bombeiros, as políticas de incentivo e estímulo ao voluntariado e como estão organizados os serviços municipais de protecção civil.

– Não se sabe quanto é que os bombeiros custam às Câmaras?

– Nós temos uma informação parcial, mas com este protocolo será feito um estudo científico e rigoroso, pelo IPL, para se chegar a um valor devidamente identificado, quer em equipamento quer em despesas correntes.

– As Câmaras são os maiores financiadores dos bombeiros?

– Temos a percepção de que, no conjunto, as Câmaras investem mais nas estruturas de bombeiros que a administração central. Essa ordem de grandeza vai ser encontrada pelo estudo que o IPL vai fazer.

– Que regras existem?

– Não existe nenhum instrumento que regule o apoio dos municípios aos bombeiros. Fica ao critério de cada um e à sensibilidade do seu executivo.

– Qual a utilidade deste estudo?

– Este estudo é fundamental para se definir uma orientação estratégica futura, nomeadamente na negociação com o Governo e na delimitação das responsabilidades da administração central e da administração local no financiamento dos corpos de bombeiros, que são a espinha dorsal do sistema de protecção civil de Portugal.

– Quando haverá resultados?

– A calendarização do programa de trabalho será feita em breve e os resultados dependem das equipas envolvidas no estudo. Mas o fundamental não é a pressa dos resultados, mas o rigor técnico e científico dos elementos apurados.

Correio da Manhã

Despiste de ambulância faz dois feridos graves

O despiste de uma ambulância da Cruz Vermelha, no IP2, provocou hoje, quarta-feira, dois feridos graves. O acidente aconteceu às 15.46 horas, ao quilómetro 298 entre Monte Trigo e Portel.

De acordo com o Comandante dos Bombeiros Voluntários de Portel, José Duarte Campaniço, os dois feridos graves, ambos doentes transportados pela ambulância da Cruz Vermelha, foram já encaminhados para o Hospital de Évora.

Estiveram envolvidos na operação de socorro 12 homens e cinco viaturas dos Bombeiros Voluntários de Portel. Acorreram também ao local três ambulâncias, um carro de desencarceramento e carro de comando.
JN

terça-feira, 23 de março de 2010

Queda de helicóptero na Serra da Estrela deveu-se a "situação de rotação inesperada"

A queda do helicóptero na Serra da Estrela, a 13 de junho de 2009, foi originada pela "perda de controlo da aeronave que entrou numa situação de rotação inesperada para a direita", refere o relatório final do acidente.
Segundo o Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves (GPIAA), o acidente – que provocou três feridos – deveu-se à perda de controlo da aeronave, que entrou "numa situação de rotação inesperada para a direita com perda de efetividade do rotor de cauda".

O documento de 22 páginas aponta como "fatores contributivos" para a queda o voar "a baixa altitude acima do terreno", "a baixa velocidade de translação", "com uma massa total elevada, para as condições de altitude e temperatura" e "a utilização de potência muito próxima do limite máximo".

No relatório publicado na Internet não são emitidas recomendações de segurança mas, "por se tratar de um fenómeno típico dos helicópteros mono rotores com rotor de cauda", é sugerido que os operadores incluam "nos seus programas de treino recorrente uma revisão das causas e características deste fenómeno, alertando as tripulações para a necessidade da prevenção e reação atempada para evitar as suas consequências".

O piloto do helicóptero acidentado, espanhol, de 37 anos, "estava devidamente qualificado e não manifestava qualquer sintoma que recomendasse o seu afastamento da missão", lê-se.

"Era um dos pilotos instrutores da empresa mais experientes neste género de trabalhos e havia sido escolhido propositadamente para esta missão", acrescenta.

O documento esclarece ainda que "na execução de uma volta para a direita, a baixa velocidade e altitude, a aeronave entrou numa rotação inesperada para a direita" e "o piloto não dispunha de altitude necessária para poder recuperar da situação de perda de controlo da aeronave e não conseguiu evitar a sua colisão com o solo".

O helicóptero Bell 206 B3, matrícula CS-HFB, caiu na tarde de 13 de junho do ano passado, numa encosta do alto de S. Bento, na Serra da Estrela, a 1 700 metros de altitude, junto à Estrada Nacional 338, que liga Portela de Arão à Lagoa Comprida, no concelho de Seia.

Estava a fazer filmagens aéreas ao serviço de uma produtora, e a queda provocou dois feridos graves (realizador e operador de câmara), e um ligeiro (piloto).

Ainda segundo o relatório do GPIAA, no dia do acidente, pelas 15:35, "quando o realizador deu por terminadas as filmagens com o primeiro carro e pediu para ir ao encontro do segundo, a aeronave voava a baixa velocidade e com muita potência introduzida".

"Ao iniciar a volta rápida para a direita, o piloto aliviou automaticamente a pressão no pedal esquerdo o que permitiu a entrada do helicóptero numa situação de rotação inesperada para a direita", lê-se no documento.

Também é relatado que "sem que o piloto tivesse possibilidade de recuperar o controlo, o helicóptero efetuou quatro voltas de 360 sobre si mesmo e acabou por colidir violentamente com o terreno".
(Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico)
Fotografia de: Pedro amaro
Lusa/SIC

Tribunal anula demissão do comandante dos Bombeiros de Amares

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga (TAFB) anulou a deliberação da Direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Amares de cessar o mandato do comandante, António Gonçalves.

Em decisão datada de Fevereiro passado, o TAFB julgou procedente a acção interposta pela Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) e anulou a deliberação da ré (Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Amares), datada de 17 de Maio de 2007, pela qual determinou a cessação do mandato de António Gonçalves e a nomeação de Manuel António Faria Vieira.
A direcção da Associação, presidida por José Gonçalves, já recorreu da decisão, confirmou o presidente ao ‘Correio do Minho’, impedindo que a decisão transite em julgado.
A mesma decisão legitima António Gonçalves a exercer funções até 29 de Outubro de 2011.

Esta decisão do TAFB é mais uma ‘batalha’ na guerra que opõe a Direcção da Associação ao comandante, já lá vão mais de quatro anos.
José Gonçalves admite não saber quando isto acabará, até porque corre também outra acção interposta pelo próprio comandante.
É a mesma Direcção que se recandidata a um novo mandato, nas eleições do próximo dia 27 de Março.
Correio do Minho

Bombeiros profissionais de todo o país manifestam-se amanhã em Faro

Bombeiros profissionais de todo o país deverão participar amanhã, dia 24, numa mega manifestação da classe, junto ao quartel dos Bombeiros Municipais de Faro.

A iniciativa da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais e do Sindicato Nacional de Bombeiros Profissionais é uma tomada de posição «contra a forma como foi criada a Força Operacional Conjunta de Faro» por parte da Câmara da capital algarvia, presidida pelo social-democrata Macário Correia.

Entre as principais falhas associadas à FOCON estão, segundo aqueles dois organismos, «a falta de efetivos, a falta de organização de horários, a má gestão de serviço, o facto da atual estrutura gastar mais dinheiro dos contribuintes e de isso não se refletir numa melhoria de serviço».

Os bombeiros municipais de Faro consideram que a instituição que representam, com 127 anos de história, «não foi respeitada» e lamentam que «não tenham sido ouvidos os representantes dos bombeiros profissionais», antes da criação daquela força.

«As falhas que se têm verificado nas operações levadas a cabo pela FOCON têm revoltado os profissionais que também integram esta força, já que não concordam com a forma como está a ser executado o comando dos Bombeiros Municipais de Faro», acrescentam a associação e o sindicato, em comunicado.

A concentração está marcada para as 15h00, junto ao quartel dos Bombeiros Municipais de Faro, com desfile até ao Governo Civil, onde vai ser entregue um Caderno Reivindicativo à governadora civil Isilda Gomes.

Barlavento Online

Corrupção: Presidência cumpriu prazo e tem plano desde Janeiro

A Presidência da República indica que o seu Plano de Gestão de Riscos de Corrupção está em vigor desde 1 de Janeiro de 2010.
O Palácio de Belém desmente algumas notícias sugerindo que estaria em falta. No site, a Presidência garante que seguiu a recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção, no prazo previsto.

"O plano de gestão de riscos de corrupção e infracções conexas dos serviços de apoio da Presidência da República está em vigor desde 1 de Janeiro de 2010, tendo sido aprovado em sessão do Conselho Administrativo da Presidência da República de 29 de Dezembro de 2009", lê-se na nota.

Ainda de acordo com o comunicado, assinada pelo presidente do conselho de administração da Presidência da República, foi, assim, seguida a recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção de 1 de Julho de 2009 relativamente à elaboração de um plano de gestão de riscos de corrupção.

Na nota, Nunes Liberato sublinha ainda que a recomendação foi seguida apesar do conselho de administração da Presidência da República não considerar "estar abrangido pela obrigação do seu envio, tendo em conta a natureza específica dos serviços da Presidência da República como estruturas de apoio a um órgão de soberania".

Instituições faltosas

Situação diferente é a do Banco de Portugal, Direcção-Geral do Orçamento e Administração Central do Sistema de Saúde. Nenhuma destas entidades apresentou ainda o respectivo plano de prevenção dos riscos de corrupção.

De acordo com o porta-voz do Banco de Portugal, a instituição já tem um plano, mas está ainda a ser avaliado internamente em todas as suas variáveis.

Já a Direcção-geral do Orçamento explica que o seu plano ainda não foi entregue devido aos trabalhos orçamentais extraordinários.

A Autoridade Nacional de Protecção Civil emitiu um comunicado em que desmente as noticias que a colocam na lista de incumpridores.

Diz a nota, do organismo liderado pelo General Arnaldo Cruz, que o plano foi enviado ao Conselho de Prevenção da Corrupção no dia 28 de Dezembro de 2009 e que desde essa altura que são escrupulosamente cumpridas todas as recomendações do documento.


Ministros falam em sucesso da iniciativa

Ainda assim o presidente do Tribunal de Contas, Guilherme d´Oliveira Martins, fala em sucesso.

"A entrega de planos foi um sucesso, já que mais de 700 entidades entregaram planos. E estou convencido que muito em breve todos os vão entregar”, afirmou Guilherme de Oliveira Martins durante o intervalo de um seminário sobre o combate à corrupção promovido pelo CPC e que decorre em Lisboa.

O mesmo responsável disse ainda ter informações de que o Parlamento e a Presidência da República entregarão nos próximos dias os seus planos. Guilherme d´ Oliveira Martins revela que tem estado em contacto directo com as secretarias-gerais das duas instituições.

Também o ministro da Justiça, Alberto Martins, se mostrou satisfeito com o facto de 700 entidades terem entregado os referidos planos.

Questionado sobre a frequente queixa de falta de meios que tem sido reclamada por diversos agentes do combate à corrupção na comissão parlamentar que está a analisar o fenómeno, Alberto Martins voltou a afirmar que estão a ser formados 100 agentes e assegurou que o Governo está actuar na área da prevenção, da política penal e da investigação criminal.

No passado dia 8, o Conselho de Prevenção da Corrupção divulgou na Internet uma lista com as 708 instituições públicas que já entregaram os seus planos, que visam identificar as áreas mais sensíveis à corrupção e encontrar formas de a prevenir, seguindo uma recomendação de Julho de 2009 que abrange um total de cerca de 900 entidades.

Na opinião do antigo bastonário da Ordem dos Advogados, Pires de Lima, o argumento da soberania “é uma vergonha”, acrescentando que “todas estas intervenções na Assembleia da República o levantamento de problemas são formas políticas de fazer uma exibição para inglês ver (…) A corrupção já há muito tempo é atacada”.

Criar cultura de segurança

O Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS), da Autoridade Nacional de Protecção Civil de Castelo Branco escolheu Março para, como tem vindo a acontecer em anos anteriores, assinalar o Dia da Protecção Civil, que ocorre no primeiro dia do mês.

O objectivo de comemorar a efeméride desta forma tem como finalidade conseguir chegar a todos os municípios, ao maior número de escolas e ao maior número de pessoas. “Isto não se consegue fazer num dia”, refere Rui Esteves, Comandante Operacional Distrital do CDOS.

Daí que se insista, junto da comunidade, mas sobretudo das escolas, em palestras sobre “Gestos que Salvam”, na realização de simulacros e evacuações e em mostrar e dar a conhecer os vários agentes de protecção civil e as suas diversas vertentes. Desde a PSP, à GNR, aos Bombeiros, à actividade desempenhada pela Força Especial de Bombeiros, ou às actividades da Autoridade Florestal Nacional, bem como do INEM. “A ideia é dar a conhecer quais são os agentes de protecção civil implementados no distrito e quais são aos meios de que dispõem”, diz o comandante.

No fundo o que se pretende é criar uma verdadeira cultura de segurança, com situações muito práticas.

Jornal Reconquista

segunda-feira, 22 de março de 2010

Bombeiros estagiários ferem-se em exercício... no quartel

Quatro bombeiros ficaram feridos durante um exercício de salvamento em Gondomar. O acidente aconteceu no quartel dos Bombeiros Voluntários da Areosa-Rio Tinto, onde um grupo de estagiários simulava a retirada de uma vítima.

Como acontece todos os domingos de manhã, um grupo de 20 bombeiros estagiários simulava a retirada de uma vítima de um edifício em chamas, quando, ao descerem, por uma escada, no terraço do quartel, o acidente acabou mesmo por acontecer.

«Já vinham a descer com a vítima imobilizada, quando acabou por acontecer o acidente, com a escada a ceder por completo e eles caíram todos para o terraço», contou à TVI segundo comandante Virgílio Pereira.

Quatro dos candidatos a bombeiros ficaram feridos, um já teve alta hospitalar, uma rapariga e dois rapazes permanecem internados com fracturas nos membros inferiores. Ossos do ofício dizem os graduados: «Aconteceu em treino, como poderia ter ocorrido na realidade. Não tenho dúvida que eles não vão desistir do curso».

Apesar dos ferimentos, os quatro estagiários já mostraram vontade em prosseguir com a carreira de bombeiro. A corporação abriu um inquérito interno para determinar as acusas. Até lá, o local do acidente está vedado.

IOL Diário

Para servir e dar a vida

Bombeiros limpam miradouro do Serrado

Os Bombeiros Voluntários de Câmara de Lobos, juntamente com elementos da autarquia, participaram em acções de limpeza em sítios estratégicos do concelho de Câmara de Lobos. Uma operação que decorreu à semelhança de outros concelhos, sábado, na iniciativa “Limpar Portugal” no âmbito das comemorações do dia Internacional da Árvore e da Floresta.
A falésia virada para o mar a partir do miradouro do Serrado do Mar, um sítio facilmente visionado pelos navios que navegam à ilharga, foi um dos locais visados nas limpezas, da qual foi retirada cerca de uma dezena de sacos cheios de uma variedade de lixo, desde sanitas, garrafas de plástico, sacos de plástico e todo o tipo de artigos domésticos.
O projecto ambiental, neste local decorreu ao longo de uma manhã. No final dos trabalhos a falésia mostrava um cenário mais agradável para o exterior. Do mesmo modo que os bombeiros desciam a falésia com recurso a material de montanhismo nesta falésia, um grupo de militares encontrava-se na praia de Câmara de Lobos na recolha de lixo, no âmbito de uma iniciativa que reuniu algumas centenas de voluntários.
Jornal da Madeira

Bombeiros querem protecção policial para ir a bairros de Loures

"Foi a primeira vez que os meus homens foram atacados desta maneira. Aquilo esteve complicado, choviam paralelepípedos, chamava-nos nomes e tivemos de sair dali à pressa", conta o comandante da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Loures, Angelo Simões. "A partir de agora só nos deslocamos a este tipo de zona com aviso prévio à polícia e depois de avaliar o risco", avisa este responsável.

Na madrugada de ontem, a polícia teve de intervir por duas vezes no bairro das Sapateiras, em Loures, a última das quais para "resgatar" os bombeiros que estavam a ser atacados. Na primeira vez, perto da 01.30 da madrugada, a PSP foi chamada ao bairro por moradores que reclamavam de desordens nas ruas e intenso ruído provocado por um grupo de perto de 30 jovens, alguns de bairros vizinhos.

Quando lá chegou o carro-patrulha da 70.ª esquadra de Loures, foi recebido à pedrada e chamou reforço de mais três carros-patrulha e duas equipas de intervenção rápida, estas últimas com oito elementos cada uma. Houve desacatos, pedras pelo ar, um polícia ferido a ter de receber tratamento hospitalar e um homem de 20 anos detido pelo crime de "ofensa à integridade física de um agente".

Mas a história não acabou aqui, ao contrário do que foi noticiado. Mal os agentes de autoridade deixaram o bairro, o grupo voltou às ruas, desta vez para começar a incendiar contentores do lixo, a fazer lembrar o cenário de "guerra" do ano passado no bairro da Bela Vista, em Setúbal.

No quartel dos bombeiros de Loures foi recebida uma chamada a dar conta da situação, perto das 02.30 da manhã. De imediato, o comandante destacou para o local um carro de combate a incêndios e logo que entraram no bairro caiu-lhes em cima uma "chuva de paralelepípedos", como "nunca" tinham visto.

O comandante Angelo Simões diz que era "um grupo de 15, 16 jovens que gritavam 'vão-se embora, saiam daqui seus filhos da p...'". Não houve feridos entre os seus homens, mas a viatura ficou com dois vidros partidos e várias mossas na chapa. Este responsável garante que vai apresentar uma queixa-crime contra desconhecidos. "Nunca tínhamos tido um problema destes, somos veículos de socorro, 'apolíticos', 'apartidários' e 'arreligiosos' e, se nem nós somos poupados a violência, devemos ficar preocupados", assevera.

O bairro das Sapateiras não foi incluído no Contrato Local de Segurança de Loures, que apenas abrange as freguesias de Sacavém, Camarate e Apelação. No entanto, mesmo nestas, segundo um inquérito divulgado no início deste mês sobre os efeitos de um ano de aplicação do contrato local de segurança, o sentimento de insegurança continua (ver caixa ao lado).

DN

domingo, 21 de março de 2010

Esclarecimento ao poste “GIPS da GNR com condução infeliz”

Caro amigo e leitor “anónimo 20 de Março de 2010 23:42”, após lido o seu comentário não podíamos deixar de lhe responder na medida em que não reconhecemos onde o Sr.(a) vê mal no que está publicado a excepção do erro que é cometido no vídeo. Para não se adiantar mais conversa deixo alguns pormenores, passo a palavra ao vídeo e aos textos que lhe vão sugerir algumas maneiras mais correctas bem diferentes à sua teoria.

Circulação em rotundas: Código da Estrada, na redacção que lhe foi conferida pelo Decreto-Lei nº44/2005, de 23 de Fevereiro, constantes dos artºs 13º, nº 1; 14º, nºs 1 a 3; 15º, nº1, 16º, nº1; 21º; 25º; 31º, nº1, c) e 43º e as definições referidas no artº 1º do mesmo Código, na circulação em rotundas.

video

Veículo Prioritário: é considerado “prioritário” um veículo que circule em missão urgente de socorro e que assinale devidamente a sua marcha (com sinais luminosos e/ou sonoros).
Os veículos prioritários podem desobedecer regras e sinais desde que não coloquem em perigo ou embaraço os outros utentes da via(1).

Veículos em missão urgente de socorro

Entende-se por “veículo prioritário” o veículo que transite em missão de polícia, de prestação de socorro ou serviço urgente de interesse público, assinalando adequadamente a sua marcha.

Deveres destes condutores: Respeitar as ordens dos agentes reguladores do trânsito;
Suspender a marcha perante o sinal luminoso vermelho de regulação do transito, embora possam prosseguir a marcha, depois de tomadas as devidas precauções, sem esperar que a sinalização mude; Suspender a marcha perante o sinal de paragem obrigatória em intersecção (cruzamento e entroncamento, “Stop”).

Deveres dos restantes condutores: Todos os condutores que tenham possibilidade de o fazer em segurança, devem ceder a passagem aos veículos que transitem em missão urgente de socorro ou de polícia(2), assinalando adequadamente a sua marcha.
Excepto: Quando o “veículo prioritário” entra numa Auto-estrada, pelo ramal de acesso; Quando o “veículo prioritário” entra numa via reservada a automóveis e motociclos pelo ramal de acesso; Quando os condutores saem de uma passagem de nível; Transito congestionado; Em vias congestionadas, na presença de um “veículo prioritário”, os restantes condutores devem encostar-se o mais possível à direita, ocupando se necessário a berma.
Excepto: Nas vias públicas onde existam corredores de circulação; Nas auto-estradas e vias reservadas a automóveis e motociclos, os condutores devem deixar livre a berma.

Note-se:

(1) Os veículos prioritários podem desobedecer regras e sinais desde que não coloquem em perigo ou embaraço aos outros utentes da via - o que não acontece no vídeo dos GIPS se repararmos bem no carro cinzento que vem em sentido contrário - o veículo prioritário colocou outros em perigo logo que não podia ter exercido aquela manobra.
(2) Todos os condutores que tenham possibilidade de o fazer em segurança devem ceder a passagem aos veículos que transitem em missão urgente… - se verificarmos bem o vídeo dos GIPS, o carro cinzento foi empurrado forçosamente para a direita uma vez que a sua via estava obstruída - logo que o veículo prioritário desobedeceu às regras uma vez que não deixou que o condutor do veículo cinza decidisse o melhor na sua segurança, ele foi empurrado como que obrigado.

Não percamos tempo, o vídeo da APEC - Associação Portuguesa das Escolas de Condução demonstra como circular numa rotunda em segurança sem ser em sentido contrário.

sábado, 20 de março de 2010

Secretário de Estado das Obras Públicas diz que Concessão Serra da Estrela é uma questão de “justiça”

O Secretário de Estado das Obras Públicas, Paulo Campos, garantiu hoje em Arganil um “total empenhamento” para que o IC 6 “não pare em Tábua e continue até onde tem de chegar, que é a Covilhã”.

Proferindo estas palavras no dia em que procedeu à abertura ao tráfego do troço do IC 6 entre Catraia dos Poços e Arganil, Paulo Campos salientou que “é de inteira justiça que estes investimentos sejam feitos”, e deixou um recado para os que se têm vindo a opor ao avanço da concessão da Serra da Estrela, recentemente suspensa pelo Governo em consequência da situação económica do país.

“Não nos podemos resignar a essa batalha. Quem hoje passou aqui nesta estrada verificará que isto é o IC 6, não é um auto-estrada como se fala em Lisboa… a diferença entre uma auto-estrada e uma estrada de proximidade é muito grande, e estas regiões do interior do país, no século XXI, ainda estão a ser servidas por estradas que foram construídas na monarquia”, advertiu aquele membro do Governo, acompanhado pelos presidentes das câmaras de Arganil, Tábua e Oliveira do Hospital.

Campos deixou também um outro desafio, ao sublinhar que “para aqueles que não conhecem ou que só conhecem as boas estradas, ou as boas auto-estradas à volta de Lisboa e do Porto, talvez fosse bom virem aqui para verificar quão importante são estas acessibilidades para as populações que aqui vivem e lutam abnegadamente por ter um futuro melhor”.

Frisando ter-se deslocado hoje ao IC 6, por uma questão de “justiça”, Campos prometeu não se resignar para que o IC 6 se possa desenvolver até onde tem que ser desenvolvido, e até desvalorizou os problemas relacionados com a “conjuntura financeira” do país.

“Esses problemas serão com certeza ultrapassados porque aqui é uma questão de justiça, e para fazermos justiça nós não desperdiçaremos um minuto que seja para que essa justiça seja feita”, observou.

Quem não poupou elogios à acção daquele Secretário de Estado na região, foi o presidente da Câmara de Arganil, cujo concelho tem vindo a ser contemplado com várias estruturas rodoviárias, no âmbito da concessão do Pinhal Interior.

“Não queria deixar de nesta ocasião lhe dirigir uma palavra de agradecimento e conhecimento por tudo aquilo que tem feito na nossa região”, afirmou Ricardo Pereira Alves, sem deixar de sublinhar que apesar de este troço do IC 6 ser “um passo importante para o concelho de Arganil”, é agora importante que “esta obra do IC 6 possa prosseguir até Oliveira do Hospital e Covilhã”.

O autarca de Arganil referiu-se igualmente à “importância estratégica” para a região da concessão da Serra da Estrela, que prevê a construção dos IC 6, 7 e 37, e também enalteceu o “o grande empenhamento” daquele Secretário de Estado “nesta matéria”.

Correio da Beira Serra

Bombeiros de Pinhel aderiram ao projecto Limpar Portugal

Cerca de cem mil voluntários têm hoje uma missão – Limpar Portugal num só dia.
O Projecto Limpar Portugal é um movimento cívico, com o alto patrocínio do Presidente da República e pretende acima de tudo sensibilizar e promover a educação ambiental entre a população, para os ajudar a reflectir sobre a problemática do lixo na qual todos temos a nossa quota-parte de culpabilidade.
Assim, durante o dia de hoje os portugueses vão sair à rua para limpar as matas, as zonas envolventes e muito mais. Do distrito da guarda foram vários os municípios e as associações que se juntaram ao projecto, como por exemplo a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Pinhel.
José Desterro, explica porque aderiram ao projecto Limpar Portugal. Segundo uma análise feita pelos bombeiros às causas dos incêndios, José Desterro Comandante dos Voluntários garante que não é este tipo de lixo que contribui para a propagação dos incêndios, ainda assim e como diz o ditado, mais vale prevenir que remediar.

A autarquia de Figueira de castelo Rodrigo também se associou a esta causa. No que diz respeito à quantidade de lixo, Sandra Pereira Vereadora do Município revelou que pelo concelho não há grandes quantidades uma vez que o município tem sensibilizado as pessoas.

Também no concelho de Figueira de Castelo Rodrigo, a associação Transumância e natureza se inscreveu, mas de uma forma mais autónoma. A Associação providenciou e disponibilizou todo o tipo de material.

Rádio Elmo

sexta-feira, 19 de março de 2010

“Tinoni” ensina a crescer em segurança

A Câmara Municipal da Trofa está a promover uma campanha de educação para a protecção civil e prevenção rodoviária, no sentido fomentar mudanças de hábitos para permitir a criação junto dos mais jovens de uma nova atitude cívica exigente e pró-activa.
Desta forma, estava previsto decorrer de 1 a 5 de Março, a campanha “Espaço Tinoni”, em torno da temática da Protecção Civil, na Trofa.
Contudo, por indicação do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) foi alterada a data das comemorações do Dia Internacional da Protecção Civil, e a campanha prevista “Espaço Tinoni” transitou para o próximo dia 17 de Março. Assim, no âmbito do Espaço Tinoni 2010, o Colégio da Trofa, a APPACDM e a EB 2/3 de Alvarelhos, vão participar nas actividades de sensibilização Ambiental e Protecção Civil.
A Escola EB 2/3 de Alvarelhos venceu o Concurso do ano anterior, ganhando como prémio ser a anfitriã do Espaço Tinoni 2010. Desta forma, as actividades realizam-se das 9h30 às 12h30, no espaço da EB2/3 de Alvarelhos.
Durante a manhã, os alunos participam em várias iniciativas, que estão dispostas num circuito rotativo, estando as crianças sempre ocupadas com uma actividade.
Nessa linha, os petizes poderão participar nos jogos “Estrutura explosiva” e “Sem meter água, ganha energia e vem jogar”, no projecto “Escola Segura” apresentado pela GNR, poderão ainda assistir à Apresentação da ASVA dos Trabalhos Desenvolvidos pelos Sapadores Florestais, e assistir a um Simulacro dos Bombeiros Voluntários da Trofa.
Com esta iniciativa, a Câmara Municipal da Trofa pretende criar ambientes de animação e convívio, em torno de uma preocupação comum, criar um espaço com características pedagógicas e lúdicas adaptadas ao público escolar, privilegiando situações de interactividade, de criatividade e imaginação, de forma a criar sensibilização ambiental e alertar as crianças e jovens das escolas locais para a prevenção e segurança.
O Notícias da Trofa

Simulacro na Escola Ana De Castro Osório

Realizou-se na Escola Ana de Castro Osório em Mangualde um simulacro de incêndio que teve como objectivo verificar as reacções humanas em situação de sinistro dentro do espaço escolar. Duas "vítimas" foram colocadas no piso superior do estabelecimento de ensino e a partir daí desenvolveu-se a acção de sensibilização.
"Uma das vítimas apresentava ferimentos devido a queda na escadaria e a segunda vítima ficou encurralada no piso superior. Feito o respectivo exercício de reconhecimento e busca por parte da equipa dos bombeiros entendeu-se que a melhor opção seria retirar as vítimas pela janela." explicou o Comandante dos Bombeiros de Mangualde - Carlos Carvalho -lembrando que o que se pretende com estes cenários é "sensibilizar os alunos, professores e todos os agentes educativos para que em situação de cenário real possam estar preparados para cumprir aquilo que são as recomendações do plano interno de uma escola".

Também o Professor João Carlos Alves, Director da Escola Ana de Castro Osório, realçou a importância destas iniciativas quer ao nível de segurança interna escolar quer ao nível da transmissão dos valores de cidadania aos alunos.
"É uma responsabilidade das Escolas e Instituições proceder a simulacros e actividades que recriem uma situação que poderá ser real. Isto é uma forma que nós arranjamos para mantermos a segurança activa e vigilante tendo também tem o efeito da cidadania porque ensinamos as nossas crianças como agir em caso de perigo" referiu o Directo do Estabelecimento de Ensino. Luís Cesário, Coordenador de segurança da Escola Ana de Castro Osório fez um balanço positivo desta iniciativa. "Os alunos participaram activamente, acataram as ordens transmitidas e foi possível testar o plano de emergência da escola de modo a verificar se ele realmente funcionava em situação real de emergência".
Cidade de Magualde

Electricidade estática nas estações de serviço, conselhos úteis

Com a generalização do Autoabastecimento nas Estações de Serviço, há que advertir as pessoas acerca da produção de incêndios como resultado da electricidade estática, enquanto se abastece de gasolina, o seu carro. Foram investigados 150 casos deste tipo de incêndios e os resultados foram muito surpreendentes.

video

1- Dos 150 casos, eles ocorreram menos a homens e mais a mulheres, devido ao seu costume de entrar e sair do veículo enquanto se abastece a gasolina.
2- Na maioria dos casos as pessoas haviam entrado novamente nos seus carros enquanto na mangueira ainda estava a correr o combustível (o perigo dos gatilhos nos bocais das mangueiras). Quando o reabastecimento terminou e saíram para retirarem a mangueira, o fogo começou, como resultado da electricidade estática.
3- A maioria dos acidentados usava sapatos com sola de borracha e roupa de fibras sintéticas.
4- Nunca utilize telemóveis quando se abastece combustível.
5- Como sabemos é o vapor que sai da gasolina que arde e causa o fogo, quando entra em contacto com cargas eléctricas estáticas.
6- Em 29% dos casos analisados, as pessoas entraram novamente nos seus veículos e logo de seguida tocaram nas pistolas das mangueiras durante o reabastecimento de gasolina. Isto ocorreu em carros de variadas marcas e modelos.
7- 17 incêndios ocorreram antes, durante ou imediatamente após a retirada do tampão do depósito do carro e antes que começasse o reabastecimento de gasolina.
8- A electricidade estática produz-se quando um passageiro fricciona as suas roupas contra o tecido dos assentos, ao entrar ou sair do veículo. Para evitá-lo, é recomendável que NINGUÉM entre ou saia do veículo enquanto se está a realizar o reabastecimento. Somente devem fazê-lo ANTES de começar, ou quando o reabastecimento já terminou e foi colocado o tampão do depósito.
9- REDOBRE AS PRECAUÇÕES se a gasolina se derramou ou salpicou o pavimento junto à bomba. Imediatamente se geram vapores altamente inflamáveis, que podem incendiar-se devido a chispas de electricidade estática, por ligação de equipamentos electrónicos (telemóveis, comandos à distância, etc.) ou pela activação da chave de ignição do veículo. ANTES de pôr novamente em marcha o motor, a gasolina derramada deve ser recolhida ou neutralizada pelo pessoal da estação de serviço.

AO ABASTECER O SEU CARRO DE GASOLINA

NO SEU VEÍCULO: Trave-o com o travão de mão, desligue o motor, o rádio e as luzes.
NUNCA: Nunca regresse ao seu veículo enquanto está a reabastecer de combustível.
POR PRECAUÇÃO: Acostume-se a fechar a porta do carro ao sair ou ao entrar. Assim se descarregará da electricidade estática ao tocar algo metálico.
Depois de sair do carro e logo que fechar a porta TOQUE A PARTE METÁLICA DA CARROÇARIA, antes de tocar na pistola de combustível. Deste modo a electricidade estática do seu corpo descarregar-se-á para o metal do carro e não para a pistola da mangueira.

Pede-se por favor que enviem esta informação a TODOS os seus amigos e familiares, especialmente àqueles que transportam crianças nos seus carros enquanto reabastecem de combustível. Obrigado por passar esta informação.

Enviado por: V.P.

GIPS da GNR com condução infeliz

video

GIPS/GNR cortam rotunda em contra-mão.

O bombeirospontopt nada tem contra o GIPS da GNR até porque é uma força operacional da ANPC que merece tanto respeito como todas as outras mas esta condução é pouco vulgar para quem se anuncia como uma força de autoridade deste país. O facto de se deslocarem para uma ocorrência em situação urgente não lhes dá o direito de infringir as regras de trânsito, o acto deste condutor é lamentável, infeliz e condenável. Meus senhores, para além de respeitados como agentes de autoridade tenham de igual forma respeito pelos outros utentes.

Enviado por: Armando Pinho

quarta-feira, 17 de março de 2010

Secretário de Estado tranquiliza bombeiros e nega corte de transportes de doentes

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) anunciou, ontem, que recebeu garantias do secretário de Estado da Saúde de que não há qualquer orientação do Ministério da Saúde para que os médicos reduzam o número de pedidos de transporte de doentes aos bombeiros.
Segundo a LBP, o secretário de Estado Óscar Gaspar comprometeu-se, também, a mandar reenviar a todas as estruturas de saúde cópias do protocolo de cooperação assinado em Agosto entre a Liga e o Ministério da Saúde, que estabelece “orientações claras” para os serviços de transportes de doentes por corporações de bombeiros.

No final de Fevereiro, a comissão executiva da LBP reuniu, em Alverca, com os presidentes de 17 das 18 federações distritais do continente. Os representantes dos bombeiros mostraram-se alarmados com posturas evidenciadas sobretudo no distrito da Guarda e no Alentejo, em que seriam evidentes reduções nos números de transportes solicitados às corporações.

Duarte Caldeira, presidente da LBP, disse ter indícios de que essa prática tendia a ser generalizada, depois de alegadas orientações da tutela da saúde para que fossem distinguidos “utentes” e “doentes” pelos serviços de saúde. Os primeiros eram encaminhados para transportes públicos e só os segundos receberiam indicação para transporte em ambulância. A LBP foi, então, mandatada para contestar esta situação junto do Presidente da República, do primeiro-ministro e dos grupos parlamentares.

De acordo com a LBP, o secretário de Estado da Saúde assegurou, também, que o processo de facturação dos transportes de doentes dos chamados subsistemas por ambulâncias das associações de bombeiros “mantém-se inalterável, cabendo às estruturas de saúde continuar a efectuar os pagamentos”. Afirma a Liga dos Bombeiros Portugueses que ficam, assim, em causa “os procedimentos adoptados por algumas estruturas locais e regionais de saúde, que entenderam devolver aos bombeiros as facturas dos transportes efectuados a doentes dos subsistemas para que estes, por sua vez, fizessem a cobrança directa a esses subsistemas”.
O governante, diz a LBP, prometeu para muito breve a regularização das incorrecções detectadas neste domínio.
Público

A indispensável segurança!

Felizmente sem vítimas, foi preciso um incêndio real em altura para pôr a nu o simulacro de segurança em que vive a dita “terceira” cidade do país em população e, muito naturalmente, em número de prédios por metro quadrado.
O aparato de ter o futuro edifício mais alto de Braga em chamas, encimado por uma nuvem de fumo negro, trouxe à memória as malfadadas imagens de 11 de Setembro e a hora e meia de duração do fogo foi suficiente para testar a ineficácia e descoordenação dos meios de socorro bracarenses.
Realmente ninguém menos atento ou de fora acredita no estado a que chegaram as instituições que têm a missão de velar pelo socorro e segurança das pessoas nesta augusta cidade: dependente da solidariedade dos vizinhos e de corar de vergonha face a algumas vilas das redondezas.
Os Bombeiros Sapadores vivem há décadas em instalações provisórias e têm os meios menos que mínimos para as suas funções, como resultado de uma política municipal forreta no que é indispensável e despesista no acessório, com circo e futebol à cabeça.
Os Bombeiros Voluntários estão há mais de três anos em guerra interna, na sequência da demissão em bloco da maior parte dos seus elementos, e com a situação económica e social a degradar-se, enquanto a corporação continua igualmente sem quartel e com um futuro cada vez mais cinzento e difícil de descortinar.
A Polícia Municipal, que tem apenas uma missão de fiscalização camarária, lá continua no ordenamento do trânsito e na caça à multa e aos rebocamentos em horário de expediente, mas sem que a instituição se consiga afirmar pela paz e motivação internas, com vários “levantamentos de rancho” contra os sucessivos comandantes.
Parece bem claro que estes são casos mais do que suficientes para que Braga acorde e evite mais “fogos” quando está em causa a segurança dos seus cidadãos.
Pergunta-se, então, o que vai fazer a Câmara e o Conselho Municipal de Segurança no sentido de garantirem melhor coordenação e eficácia no socorro dos bracarenses? É que este órgão existe mas, sinal dos tempos, ninguém tinha dado por isso.
Diário do Minho

Incêndio no centro histórico de Guimarães

Um incêndio deflagrou esta tarde nas águas furtadas de uma habitação no centro histórico de Guimarães, informou à agência Lusa fonte dos bombeiros voluntários locais.

A mesma fonte adiantou que o incêndio, cujo alerta foi dado às 19h19, está «circunscrito», podendo ter afectado «uma segunda casa», o que «ainda não se conseguiu confirmar».

A casa em chamas situa-se no Largo do Toural, no centro histórico de Guimarães.
No local estão quatro viaturas e 14 bombeiros. Para já, disse fonte dos bombeiros de Guimarães, «não há feridos a registar».

IOL Diário

Bombeiros retiraram do Ceira corpo de doente do Sobral Cid

Homem, com cerca de 50 anos, desapareceu na segunda-feira. Ontem, mais um indivíduo fugiu da unidade hospitalar.
Mergulhadores dos Bombeiros Sapadores de Coimbra retiraram ontem à tarde do rio Ceira o cadáver de um homem de cerca de 50 anos, na zona da Quinta da Conraria.
O alerta para os bombeiros ocorreu às 15h45, dando conta que estaria um corpo a boiar no rio, tendo-se deslocado igualmente para o local os Bombeiros Voluntários de Coimbra.
Compareceram ainda a GNR e o INEM.
Segundo fonte dos Sapadores, trata-se de um doente do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Coimbra – Unidade Sobral Cid.
De acordo com fonte da GNR, o indivíduo estaria desaparecido desde segunda-feira. Segundo a mesma fonte, um segundo utente da unidade terá também desaparecido durante a tarde de ontem. Trata-se de um jovem de 18 anos, natural de Penela.
Esta é já a terceira fuga de um paciente do Sobral Cid em menos de duas semanas. Recorde-
-se que, no início do mês, um indivíduo também abandonou as instalações da unidade de saúde, após furtar o automóvel de um dos funcionários. O homem acabaria por ser interceptado pela polícia na zona de Montemor, poucas horas depois.
Diário de Coimbra